Pesquisar este blog

quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

domingo, 24 de dezembro de 2017

dezembro 24, 2017

33º e 34º dia - Final da Viagem!

Olá!
Finalmente, esse é o último post do meu diário de viagem no Japão! Decidi juntar o penúltimo e último dia porque eles são mais curtos. O penúltimo dia nós deixamos livre para ir nos lugares que faltaram e nos lugares que nós mais gostamos e no último dia nós passamos a maior parte do tempo no aeroporto.

11 e 12 de Janeiro de 2017, Quarta e Quinta-feira


Palácio Imperial de Tokyo

Originalmente, no cronograma, pretendíamos ir no Palácio Imperial de Tokyo dia 4, junto com Ueno. Mas é necessário marcar a visita e quando nós fomos marcar esse dia já não estava mais disponível, então acabou ficando pro dia 11, que deixamos livre justamente pro caso de acontecer algo assim. O Palácio Imperial de Tokyo foi construído em 1888 onde era o antigo Castelo de Edo, em uma área enorme cercada por fossos no centro de Tokyo e é a atual residência da família imperial do Japão.

Muros do Palácio Imperial de Tokyo

Foi bem complicado chegar lá, porque nós descemos do metro e tivemos que dar várias voltas e caminhamos um monte pelo subsolo até sair nos Jardins do Palácio Imperial, só que descobrimos que não dava para entrar no Palácio Imperial por ali, então tivemos que correr mais uns 500 metros pra chegar na entrada certa e quase nos atrasamos pra visita guiada. Chegamos numa grande sala com várias pessoas, tanto japoneses como estrangeiros, em mesas e um vídeo passando sobre o palácio. Logo, um homem, que era o guia, foi para a frente e começou a explicar sobre a visita e então saímos da sala e começamos. Passamos por várias construções e cenários importantes e o guia ia parando em cada um deles e falando sobre sua história.

Portões dos Jardins do Palácio Imperial
Portões do Palácio Imperial
Antiga torre de vigia
Hall de Recepção Chouwaden
Agência da Casa Imperial
Antiga torre de vigia

O guia era bem simpático, mas às vezes era meio difícil de entender o que ele falava porque tinha muita gente no grupo, então me concentrei mais em tirar fotos mesmo. Foi nossa única visita guiada na viagem toda e só porque não tinha outra opção mesmo. Se pudéssemos andar mais livremente e entrar em alguns prédios, como era no Palácio Imperial de Kyoto, seria mais legal. Depois fomos nos Jardins do Palácio Imperial e demos uma volta mais livre por lá, era bem bonito. Também fomos no Museu de Coleções Imperiais, que estava tendo uma pequena exposição em comemoração ao ano do galo. Infelizmente não tinha nenhuma espada lá, mas eu sei que as minhas favoritas estão entre as coleções do museu. 

Jardins do Palácio Imperial
Lago nos Jardins do Palácio Imperial
Lago nos Jardins do Palácio Imperial
Casa de Chá
Jardins do Palácio Imperial
Jardins do Palácio Imperial
Museu de Coleções Imperiais

E saindo de lá, caminhamos mais um pouco e fomos dar uma olhada nos restaurantes perto da estação de Yurakucho. Decidimos almoçar em um restaurante cuja especialidade era tonkatsu, uma carne de porco empanada e com molho por cima e servida com repolho e arroz. O ambiente era bem agradável e as porções de comida eram enormes! Estava muito gostoso, mas não consegui comer tudo.

Tonkatsu

Harajuku, Akihabara e Ikebukuro

Depois de almoçar, tínhamos a tarde livre para irmos onde quiséssemos, então eu e meu irmão nos separamos, eu fui para Harajuku comprar roupas e meu irmão foi para Akihabara jogar nos fliperamas e depois eu encontraria ele lá. Foi a primeira vez que eu andei de trem sozinha no Japão e eu estava bem nervosa, mas foi muito bom pra mim porque mostrou que eu consigo me virar andando sozinha pelas ruas de Tokyo. Eu fui primeiro na Takeshita Dori olhar as lojas de novo e eu queria muito um casaco com orelhinhas no capuz, que eu via em vários lugares por lá e acabei comprando um bem fofinho e quentinho na loja Amavel Classic do Shopping Alta. A vendedora foi bem simpática comigo e achou legal eu ser do Brasil. 

Takeshita Dori
Takeshita Dori
Takeshita Dori

Depois fui no shopping Laforet e na loja Axes Femme comprei uma saia e uma blusa. Lá a vendedora era ainda mais simpática, ela até lembrava que eu já tinha ido lá no outro dia (mesmo eu não tendo comprado nada). Ela era ocidental também, mas nós conversávamos em japonês, eu falei um pouco sobre a viagem, que estava no fim, e que no Brasil era difícil encontrar roupas tão fofas e no fim ela disse que meu japonês era muito bom. Eu achei bem legal ter feito essas compras sozinha porque quando eu ia com o meu irmão as vendedoras não puxavam tanta conversa comigo e eu fiquei muito feliz em poder treinar meu japonês conversando com elas.

Saindo da Estação de Harajuku

No fim da tarde fui pra Akihabara, fiz mais umas compras, principalmente de lembrancinhas pros amigos e encontrei meu irmão. Nós voltamos para o apartamento em Ikebukuro e fomos arrumar nossas malas. Com muita luta, nós conseguimos fazer caber tudo nas malas e elas ficaram bem cheias e pesadas. Depois de nos organizar saímos pra nossa última janta no Japão. Já era bem tarde, umas 22h, mas as ruas ainda estavam bem movimentadas perto da estação de Ikebukuro. Resolvemos ir no nosso bom e velho restaurante Gusto e eu comi uma carne de hambúrguer recheada com queijo, uma salada e um tenpura de camarão. 

Janta no Gusto

Satisfeitos com a comida, fomos nos despedir da viagem cantando mais uma vez em um karaoke. Ficamos umas duas horas lá e nos divertimos muito. Saímos de lá pela 1h da manhã e as ruas já estavam bem mais vazias, mas tinha bastante policiamento. A estação de Ikebukuro estava quase fechando e foi bem interessante ver aquela estação que é sempre lotada de gente quase vazia, deu até pra reparar melhor nos cartazes na estação. Chegamos no apartamento cansados, mas muito muito felizes e completamente satisfeitos.

Eu cantando a música de abertura do anime No.6, Rokutousei no Yoru
Cartaz da peça de teatro de Touken Ranbu na estação de Ikebukuro


Aeroporto de Haneda

No dia seguinte, jogamos fora nosso lixo, comemos os últimos lanchinhos, pegamos nossas malas e saímos do apartamento cedo para ir para o aeroporto de Haneda. Nossas malas estavam super pesadas e me deu um alívio quando chegamos no trem. Depois de mais ou menos 1h chegamos no aeroporto. Escolhemos esse aeroporto e não o de Narita porque era bem mais perto e barato ir de trem pra ele. 

Mapas que utilizamos durante a viagem

Nosso voo era só no início da tarde e ainda era de manhã, então ainda demos uma volta no aeroporto. Encontramos uma loja de souvenirs que vendia sabores únicos de KitKat que só eram vendidos lá. Tinha sabor de melão e de sakura (flor de cerejeira), mas eram umas caixas grandes e não caberiam nem nas nossas malas nem nas bagagens de mão de jeito nenhum, então infelizmente não compramos. Despachamos nossas bagagens pesadas e fomos almoçar. Nossa última refeição no Japão foi a mesma que a primeira, ramen! Comemos em um restaurante da praça de alimentação do aeroporto e estava bem gostoso. Depois demos mais umas voltas, gastamos um pouco do dinheiro que sobrou nos gatchas do aeroporto e o restante nós trocamos novamente para dólar. Até que sobrou bastante dinheiro, se tivesse mais espaço na mala, eu compraria mais, mas como eu levei muita roupa de inverno, elas ocupavam bastante espaço. Enfim chegou a hora de partir. Foram mais dois voos com cerca de 12h de duração, mas eu senti que eles foram mais tranquilos do que os da ida. 

Aeroporto de Haneda
Ramen

No primeiro, eu percebi que vários japoneses nos bancos da frente estavam assistindo um anime, era Kimi no Na wa (Your Name). Eu já tinha ouvido falar desse filme, mas não sabia nada da história, então fiquei curiosa e resolvi assistir também, já que tinha muitas horas pela frente. Foi muito legal porque o filme mostra várias paisagens que nós vimos na viagem, eu gostei bastante e no final até chorei um pouquinho. E a música do final eu já tinha escutado várias vezes em lojas de anime e tinha achado muito bonita, mas não sabia de onde era e foi aí que descobri. Durante a viagem também deu pra ver que esse filme tinha feito bastante sucesso, além das músicas vimos até um café temático. Até meu irmão resolveu assistir depois também. Logo as horas passaram, chegamos no Brasil e pegamos mais um avião para ir para nossa cidade. Chegamos em casa plenamente satisfeitos e realizados. Foi uma viagem maravilhosa e eu fico muito feliz cada vez que lembro dos dias que passei lá no Japão. Agora, um ano depois, eu só quero ir de novo, mas enquanto isso não é possível eu ainda vou falar muito dessa viagem tão especial pra mim.

Esse foi o último post do meu Diário de Viagem no Japão. Eu queria terminar essa série de posts antes que o início da viagem completasse 1 ano, mas não consegui por pouco. Mas não pensem que eu parei de falar dessa viagem! Claro, ano que vem quero focar mais em traduções e otome games, já que ficaram meio de lado esse ano, mais ainda tenho várias ideias de posts sobre a viagem ao Japão e aceito sugestões também!
Um feliz Natal pra todos e até!~

sábado, 16 de dezembro de 2017

dezembro 16, 2017

PolyphonicBranch x Touken Ranbu - Rakujitsu no Yakusoku

Olá!~
Aproveitando que eu falei muito de Touken Ranbu no último post, hoje trago uma tradução de uma música do compositor PolyphonicBranch para personagens de Touken Ranbu. Eu gosto muito dessas músicas porque na maioria das vezes elas trazem um pouco do drama envolvido na história dos personagens. 

A música de hoje é sobre os personagens Kashuu Kiyomitsu e Yamatonokami Yasusada. Ambos eram espadas do Okita Souji, famoso capitão da primeira unidade do Shinsengumi, uma tropa de samurais que servia ao xogunato. Okita serviu entre 1863 e 1868, quando morreu de tuberculose. Ambas as espadas são descritas como difíceis de manusear e poucas pessoas conseguiam dominá-las, incluindo Okita, que era considerado um prodígio. Kiyomitsu foi levado por Okita no incidente de Ikedaya, em 1864, quando o Shinsengumi enfrentou um grupo que era contra o xogunato. Lá Kiyomitsu quebrou sofreu danos irreparáveis e foi abandonado por Okita. Já Yasusada acompanhou Okita até o final de sua vida e viu ele definhando aos poucos por causa da doença. Ambos guardam traumas por causa desses acontecimentos.
落日の約束
Rakujitsu no Yakusoku
(Promessa do Sol Poente)
Artista: S!N e Eve
Ano: 2015

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

dezembro 12, 2017

32º dia - Touken Ranbu em Ikebukuro

Olá!!
Esse é o penúltimo post do diário de viagem no Japão!! Nesse dia nós ficamos no bairro de Ikebukuro, porque eu tinha um evento pra ir do jogo que eu adoro, Touken Ranbu. Pra quem ainda não sabe, Touken Ranbu é um jogo, voltado pro público feminino, onde, basicamente, você tem que colecionar espadas japonesas personificadas e utilizá-las para batalhar contra forças do mal que querem mudar o rumo da história.

10 de Janeiro de 2017, Terça-feira

Tobu e Animate Cafe Shop

Começamos o dia passeando pela loja Tobu, que assim como a Seibu, que nós visitamos outro dia, está conectada à estação de Ikebukuro e é enorme, sendo a maior loja de departamento de Tokyo, com 17 andares! Nós andamos rapidamente pelos principais andares de lojas, que eram uns 7, nem metade do total, e mesmo assim parecia não acabar nunca. Olhamos as lojas e eu comprei um CD pra uma prima que tinha me pedido. Na mesma loja meu irmão encontrou até uma estátua de um famoso cantor de música enka, Kitajima Saburou.

Estátua do cantor de enka Kitajima Saburou na loja de CDs

Depois nós fomos no Cafe Shop da loja Animate, na Otome Road. Essa loja tem dois andares com cafeterias temáticas que todo mês faz colaborações com animes e jogos diferentes, normalmente voltados para o público feminino, devido à localização da loja. E no primeiro andar tem um cafe shop que vende as bebidas temáticas e os brindes exclusivos de alguma colaboração passada. Como lá é muito movimentado, eu tive que marcar hora alguns dias antes e escolhi o cafe shop porque estava tendo uma colaboração com o anime Touken Ranbu Hanamaru.

Propaganda de UtaPri em um prédio no caminho pra Animate

Chegou nosso horário, entramos em uma fila e uma moça confirmou nossas reservas e depois explicou como funcionava o cafe shop. Primeiro você escolhia os brindes exclusivos que queria comprar, que eram coisas como chaveiros, bottons e cartões postais, tudo sortido, e depois você ia pro caixa, fazia o seu pedido, pagava tudo junto e podia ir para uma mesa. Eu não quis comprar nenhum brinde porque eram sortidos, então poderia vir algum personagem que eu não curto tanto. De bebida escolhi um chá verde com bolo castella e meu irmão escolheu um capuccino. Eu não sei se em todos os Animate Cafe é assim (espero que não), mas nós achamos muito propaganda enganosa porque a imagem no cardápio era bem diferente do que nós recebemos, mas enfim, valeu a experiência.

Loja Animate, o que nós esperávamos do Cafe Shop (cardápio) e o que nós recebemos (o que mais decepciona é o tamanho do bolinho)

Touken Ranbu -Honmaru Haku- 

Saindo de lá, atravessamos a rua e chegamos na Sunshine City, um complexo de prédios que tem de tudo, desde lojas, restaurantes e cinema a escritórios comerciais, parques temáticos e ainda um hotel, um aquário e um planetário. Nesse lugar estava acontecendo a exibição Touken Ranbu -Honmaru Haku-, que comemorava os 2 anos do jogo que eu adoro, Touken Ranbu. Ir nessa exposição não estava planejado no cronograma da viagem, eu nem fazia ideia de que ela ia acontecer, mas em um dos nossos primeiros dias em Tokyo eu vi uma divulgação em uma loja de conveniência perto do apartamento e pesquisei na internet pra saber do que se tratava. Assim que entendi o que era, fui comprar ingresso na loja de conveniência e, com muito orgulho, enfrentei a máquina de ingressos da Lawson e consegui comprar meu ingresso sozinha, sem ajuda de funcionários!

Então, aproveitamos que esse dia já estava reservado a Ikebukuro mesmo e eu fui na exposição nesse dia. Meu irmão me deixou no lugar onde estavam organizando a fila e foi passear por Ikebukuro. Como eu cheguei cedo, fiquei um tempão esperando na fila, mas era uma das primeiras (não por chegar cedo, mas pelo número do meu ingresso mesmo). Tinha muita gente na fila, sério, muito mesmo! E era só pra um horário de um dos dias dessa exposição, que deve ter durado em torno de uma semana. Era lindo pra mim ver tanta gente fã do jogo (já que no Brasil não é tão fácil encontrar) e eu até fiquei com vontade de puxar conversa com alguém, mas não tive coragem.

Otome Road vista da Sunshine City

Depois de muito tempo na fila gigante, começou. Primeiro entrávamos em uma sala, onde passava um vídeo mostrando cenas do jogo, dos musicais, da peça de teatro e dos animes, e depois um vídeo com a abertura nova do jogo. Era proibido tirar fotos nessa sala, mas nas próximas era liberado. A sala seguinte era bem ampla e nas paredes havia imagens dos até então 60 personagens em tamanho real, divididos em estações do ano. As imagens eram muito bonitas, dava vontade de tirar foto de todos eles, mas ia demorar muito, então só tirei de alguns. Depois tinha uma sala com uma réplica da espada mais famosa e também uma das mais raras do jogo, Mikazuki Munechika. E as salas seguintes eram sobre os musicais, a peça de teatro e os animes. Na dos musicais tinha fotos e também as roupas utilizadas pelos atores e na da peça de teatro, mais fotos. 

Sala com as imagens de todos os personagens
Nagasone, Urashima, Kogitsunemaru, Jiroutachi, Taroutachi e Shishiou
Mikazuki, Ishikirimaru, Imanotsurugi e Iwatooshi
Mitsutada, Ookurikara e Tsurumaru
Nikkari e Hasebe
Izuminokami, Horikawa, Higekiri, Hizamaru, Maeda, Ichigo e Hirano
Réplica da espada Mikazuki Munechika
Sala dos musicais
Roupas utilizadas nos musicais
Roupas utilizadas nos musicais
Personagens do primeiro musical
Personagens do segundo musical
Sala da peça de teatro
Personagens da peça de teatro

Na sala dos animes tinha um pedaço do cenário do anime com totens dos personagens e objetos utilizados por eles em tamanho real e tinha também várias imagens dos animes, além de storyboards, sketches e concept arts. Na penúltima sala estavam expostos provavelmente todos os produtos oficiais de Touken Ranbu já vendidos, desde mangás, posters, action figures e pelúcias a réplicas de espadas, bolsas, sapatos e roupas de banho. E na última sala, haviam ilustrações inéditas de cada personagem, comemorando os 2 anos jogo. Nessa dava muita vontade de tirar foto, mas era proibido, novamente.

Cenário do anime Touken Ranbu Hanamaru
Objetos que aparecem no anime
Sketches dos cenários e imagens dos personagens
Sketches dos cenários e imagens dos personagens
Sketches dos objetos e imagens dos personagens
Concepts e imagens dos personagens
Concepts e imagens dos personagens
Sketches de cenas do anime
Sketches de cenas do anime
Cenas do anime
Cenas dos encerramentos do anime
Divulgação do novo anime Katsugeki Touken Ranbu
Personagens do novo anime
Réplicas de espadas
Action figures
Posters e pelúcias
Mochilas, almofadas, necessaires e roupas de banho
Bolsas, joias, acessórios e sapatos
Toalhas, leques, cartões e chaveiros

Eu achei a exposição muito legal e fiquei bem feliz em poder ir em um evento assim de um jogo que eu gosto tanto. Saindo da exposição ainda havia uma lojinha com produtos exclusivos. Eu comprei duas pastas, um cartão postal, um bloquinho de anotações, um caderno de desenho e um lencinho. Ainda era possível ao sair da exposição participar de uma caça aos personagens pelo shopping da Sunshine City! Haviam adesivos de cada personagem espalhados pelo shopping e cada adesivo tinha um número que devia ser anotado. Juntando todos os números era possível ganhar um brinde. Eu achei bem legal isso e andando pelo shopping até encontrei alguns personagens, só não participei pela falta de tempo mesmo.

Ingresso da exposição e produtos que comprei
Pessoas participando da caça aos personagens
Souza em um totem de informações
Uguisumaru ao lado de um mapa do shopping
Midare no vidro de um corrimão
 

Sunshine City

Até tinha sobrado um tempo antes do horário de eu reencontrar o meu irmão, mas eu aproveitei pra ir em mais um lugar que estava tendo colaboração com Touken Ranbu. Era o observatório do prédio Sunshine 60, um prédio no centro da Sunshine City com 60 andares, como sugere o nome. Era o prédio mais alto do Japão quando foi construído, em 1978, e hoje é o 10º do Japão e 4º de Tokyo. Eu comprei o ingresso pro observatório e subi até o 60º andar. Lá tinha uma vista maravilhosa, que ficou especialmente mais bonita com o sol se pondo naquele horário.

Cartaz da colaboração e prédio Sunshine 60
Pôr do sol visto do alto do prédio

Além da vista, pelos corredores havia vários espelhos que causavam ilusões de ótica diferentes, era bem legal. E na colaboração com Touken Ranbu que estava acontecendo, era possível pegar os personagens em suas versões chibi e espalhá-los pelo teto e paredes do corredor para formar um cenário pra tirar fotos. Além disso, se você fosse na cafeteria do observatório ainda ganhava um cartãozinho da colaboração. Eu fui e comi um donut e tomei um suco. 

Espelho que mostra vários ângulos
Projeções nos espelhos
Cada um dos triângulos dessa parede tinha imagens diferentes dentro, formadas com espelhos
Algumas imagens formadas
Colaboração com Touken Ranbu
Colaboração com Touken Ranbu
Colaboração com Touken Ranbu
Donut e suco
Vista do restaurante para a estação de Ikebukuro

Depois desci os vários andares e fui encontrar meu irmão no shopping. Nós fomos no Pokémon Center, uma loja cheia de produtos oficiais de Pokémon! Eu acabei não comprando nada porque achei as coisas caras, mas tinha muita coisa legal! Nós ainda demos mais uma passeada pelo shopping, mas eu estava bem cansada já de tanto caminhar, então não entrei em muitas lojas. E por fim, fomos jantar em um restaurante de soba, que é uma sopa bem parecida com ramen, mas o caldo e a massa são diferentes. Estava bem gostoso.

Pokemon Center
Mega Lucario e Mega Mewtwo Y
Mega Charizard Y e Pikachu
Soba

Esse foi mais um dia em Ikebukuro e o antepenúltimo dia no Japão! No próximo post eu vou juntar o penúltimo e o último dia, já que eles são mais curtos e assim vou acabar meu diário de viagem no Japão! Mas não se preocupem, que ainda tenho muita coisa pra falar dessa viagem mesmo depois disso. Até!