6º dia - Kyoto, Toriis e Geishas

Olá!
Este é o último dia na cidade de Kyoto da viagem que eu e meu irmão realizamos ao Japão! E foi também o dia mais legal dessa cidade, porque não choveu e nós fomos em muitos lugares característicos de Kyoto e sentimos na pele a cultura japonesa que essa cidade emana!


15 de Dezembro de 2016, Quinta-feira

Fushimi Inari e Castelo de Nijo

Começamos o dia bem cedo no templo xintoísta ou santuário Fushimi Inari, que como o nome já diz, é dedicado ao deus do arroz Inari, cujos mensageiros são raposas, por isso esse templo tem muitas estátuas de raposas. Mas o que deixou este templo famoso mesmo são o milhares de toriis vermelhos que formam caminhos dentro do templo em direção ao Monte Inari. E é impressionante mesmo, quando você entra no caminho de toriis parece que não vai ter fim pela quantidade que tem.

Entrada do templo Fushimi Inari
Fushimi Inari
Romon, o portão principal
Haiden, o prédio onde são realizadas as orações
Estátua de raposa
Fushimi Inari

Enquanto nós passeávamos por lá, encontramos até um outro grupo de brasileiros. Eles estavam se perguntando o que significavam as inscrições presentes em cada torii. Meu irmão chegou e explicou que era o nome da pessoa que doou o torii e a data da doação, surpreendendo-os porque eles não imaginavam que encontrariam outros brasileiros ali!

Entrada para Tamayama Inari
Tamayama Inari
Senbon Torii, os milhares de toriis do templo
Senbon Torii
Senbon Torii
Senbon Torii por fora

Saindo de lá, pegamos um ônibus para o Castelo de Nijo, que deveríamos ter visitado no dia anterior, mas não deu tempo. A entrada principal do castelo estava em reforma, então nós entramos por um portão lateral. Este castelo foi construído como residência do Tokugawa Ieyasu, o primeiro shogun do período Edo. Depois que o Tokugawa caiu, o castelo foi usado por um curto período como castelo imperial e depois doado à cidade e aberto ao público como local histórico.

Torre sudoeste
Portão Karamon
Detalhes esculpidos no portão

Na visita foi possível entrar no Ninomaru, um dos principais prédios do castelo, mas na parte interna dele era proibido tirar fotos. Era bem grande, com salões amplos e muitas pinturas nas portas e paredes. Passamos também pela parte externa do Honmaru, outro prédio importante, e pelos jardins entre os dois prédios.

Entrada do Ninomaru
Ninomaru
Jardim do Ninomaru
Portão Honmaru Yaguramon
Honmaru
Honmaru visto do alto
 

Museu Nacional de Kyoto e Kiyomizudera 

Pegamos outro ônibus e fomos no Museu Nacional de Kyoto, um dos mais antigos e importantes museus do Japão. O seu acervo inclui relíquias arqueológicas, esculturas, cerâmicas, pinturas, espadas e vestimentas antigas, mas, infelizmente, dentro do museu não era permitido tirar fotos.

Prédio de exposições especiais do museu
Réplica da estátua "O Pensador" no pátio do museu

Já tinha passado da hora do almoço quando nós saímos do museu, então enquanto caminhávamos em direção ao templo Kiyomizudera, nossa próxima parada, procuramos um lugar para comer. Paramos num lugar bem simples e pequeno e pedimos um prato de yakisoba e um de takoyaki e dividimos. Estava bem gostoso. 

Takoyaki e Yakisoba

Retomamos nossa caminhada, agora com mais energia, e chegamos no templo budista Kiyomizudera, um dos principais pontos turísticos de Kyoto. O salão principal do templo tem uma varanda que é apoiada por pilares de 13 metros, conferindo uma vista linda da cidade. O complexo do templo também inclui pagodas e templos xintoístas.

Kiyomizudera
Vista da varanda em direção à cidade
Vista da varanda em direção às montanhas
Pagoda

Como era de se esperar, o templo estava repleto de turistas, tanto japoneses como estrangeiros, e foi provavelmente o local mais cheio que visitamos. Um grupo de estudantes japoneses até veio nos entrevistar! Eles estavam fazendo um trabalho de inglês e tinham que perguntar a estrangeiros o que eles estavam achando de Kyoto e convidar para conhecer também sua cidade, Miyazaki.  

Turistas visitando o templo
Jovens que nos entrevistaram, em frente ao templo xintoísta Jishu
Estátuas no templo Jishu

Depois da entrevista, eles nos deram tsurus de origami como lembrança e nós continuamos a passear pelo templo. Mas uns minutos depois, duas meninas daquele mesmo grupo foram atrás de nós. Elas viram minha bolsa de Touken Ranbu, que eu comprei no musical, dois dias antes e perguntaram se eu gostava. Eu disse que sim e nós conversamos um pouco sobre o jogo e animes, elas elogiaram a minha roupa também (estava usando o haori e obi que comprei no dia anterior) e até pediram pra tirar foto comigo! Muito fofas! <3

Eu e as duas meninas que pediram pra tirar foto comigo <3


Distrito de Higashiyama

Maiko (aprendiz de geisha)
Saímos do templo e já estávamos no distrito de Higashiyama, famoso por ser um dos mais preservados distritos históricos da cidade, com ruas estreitas em lombas cheias de lojas com produtos tradicionais. Nós caminhamos bastante, compramos algumas coisas, vimos muitas pessoas de kimono e tivemos até a sorte de encontrar uma maiko (aprendiz de geisha).

Fizemos uma parada no templo budista Kodaiji, que foi construído em memória de Toyotomi Hideyoshi e sua esposa, Nene. Depois caminhamos até o parque Maruyama, tiramos foto do grande portão do templo budista Chionin, que atualmente está em reforma, e esperamos escurecer para visitar o templo xintoísta Yasaka, um dos mais famosos de Kyoto por sediar o festival de verão Gion Matsuri. 

Não estava na época do festival, mas mesmo assim deu pra se encantar com as milhares de lanternas espalhadas pelo templo e as várias barraquinhas de comida. Compramos até um espetinho de kani (carne de carangueijo), mas eu não gostei muito e era tão grande que nem o meu irmão deu conta.

Distrito de Higashiyama
Distrito de Higashiyama
Distrito de Higashiyama
Distrito de Higashiyama
Totoro em tamanho real em loja do Studio Ghibli
Distrito de Higashiyama
Templo Kodaiji
Saída do templo Kodaiji
Parque Maruyama
Portão do templo Chionin
Templo Yasaka
Lanternas do templo Yasaka
Portão Nishi-romon
Espetinho de kani (carne de carangueijo)

Gion e Pontocho

Terminamos de comer e fomos explorar Gion, o distrito das geishas. Ele é bem parecido com Higashiyama, mas tem mais restaurantes caros e casas de chá, onde as geishas servem e entretêm os convidados. Antes de qualquer equívoco, geishas são mulheres que estudam artes, dança e canto com o intuito de apenas entreter as pessoas em jantares ou outras ocasiões formais. Elas não são prostitutas. Geralmente é bem caro e difícil ter a chance de ter contato com uma geisha e o máximo que nós vimos foram algumas maikos caminhando e uma geisha num táxi, provavelmente indo a algum jantar.

Maiko (aprendiz de geisha), Geisha (profissional de entretenimento) e Oiran (prostituta)

Já estava bem escuro lá e tinha bastante movimento de carros, então não conseguimos tirar muitas fotos boas. Seguimos caminhando em direção a Pontocho, uma rua ao longo do rio Kamo muito muito estreita, cheia de restaurantes. Pretendíamos jantar lá, mas os restaurantes eram muito caros e, mesmo os mais baratos, ainda eram caros para o que estávamos acostumados até então. Assim, nós só passeamos por ali e fomos embora. E na estação de Kyoto jantamos um ramen baratinho e bem gostoso.

Restaurante em Gion
Rua Pontocho
Ramen

Esse dia encerrou Kyoto e conseguimos concluir visitando os principais lugares que queríamos, mesmo com alguns atrasos e mudanças de planos. Kyoto é realmente uma cidade linda que transborda cultura japonesa e não pode faltar em nenhuma viagem ao Japão. Fiquei feliz em poder ver as folhas de outono que são o charme de muitos pontos turísticos de Kyoto e quero ir de novo algum dia, em outra época do ano também. 

O que vocês mais gostaram em Kyoto? 
No próximo dia da viagem vai ter as cidades de Inuyama e de Nagoya! Aguardem~

4 comentários:

  1. oii, algumas imagens dos templos e dos jardins lembram a de The men of Yoshiwara, principalmente o jardim. Uma pena que não podia tirar fotos da parte de dentro do castelo e do museu algo que me dá curiosidade e ver como eles eram.
    Kyoto e tão conhecida como cenário de tantas coisas é muito legal conhecer assim por fotos também.
    Gostei muito da escultura da raposa.
    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ooi Taina o/
      Agora fiquei com mais vontade ainda de jogar esse jogo!
      A maioria dos museus lá não dá pra tirar foto, é uma pena. Mas se ficou com curiosidade de saber como era o interior do castelo, dá uma olhada no próximo post, de Nagoya e Inuyama, que o honmaru do castelo de Nagoya é bem parecido com o do castelo de Nijo.
      Que bom que gostou :3
      Beijos~

      Excluir
  2. Japão clássico é um amoor <3
    Esses cenários e td isso me lembram animes de épocas *¬*
    Kyoto é simplesmente o LUGAR DO JAPÃO QUE EU MAIS QUERO VISITAR DE TODOS (até mais doq Tokyo)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim! Eu amo essas construções tradicionais japonesas! São muito lindas! <3
      Entendo, Kyoto é demais mesmo e perfeita pra conhecer a cultura japonesa de perto (mas Tokyo também não pode faltar!)
      Beijos~

      Excluir

Tecnologia do Blogger.