3º dia - Templos, Takarazuka e Outdoors

Olá!~
Esse é 3º dia da minha viagem ao Japão! Nesse dia, eu e meu irmão exploramos Osaka mais um pouco e demos uma passadinha numa cidade próxima, Takarazuka, só para ver o espetáculo da companhia de teatro Takarazuka Revue! Foi muito legal! Acompanhem!~

12 de Dezembro de 2016, Segunda-feira

Sumiyoshi Taisha e Shitennouji

Começamos o dia indo no templo xintoísta Sumiyoshi Taisha. Pegamos o trem e caminhamos um pouquinho pra chegar no templo, dessa vez, seguindo o mapa sem se perder! Foi um dos templos mais bonitos da viagem, era bem grande, tinha uma ponte linda, várias lanternas e muito vermelho. 

Tirando foto da entrada do templo
Ponte vermelha (não dava pra passar por ela, mas dava pra tirar lindas fotos mesmo assim)
Ponte pela qual as pessoas passavam
Enormes lanternas de pedra
Até a cabine telefônica tem telhadinho de templo
Caminho de lanternas de pedra
Nos templos xintoístas, deve-se lavar as mãos (e, às vezes, até a boca) antes de entrar no templo para purificação e também é comum fazer reverência ao entrar e ao sair. Como era nosso primeiro templo xintoísta, nós resolvemos experimentar. Lavamos nossas mãos e passamos pelo portão principal. Pelas bandeiras e barraquinhas sendo montadas, provavelmente ia acontecer algum festival mais tarde, mas tínhamos que ir para o próximo templo.

Fonte em forma de coelho onde lavamos as mãos
Portão principal
Outro lado do portão
Pessoas rezando
Caminho de bandeirinhas

Tivemos uma longa caminhada até a estação de Nagai para pegar um trem para o templo budista Shitennouji, mas foi bem legal, porque caminhamos por ruas estreitas com várias casinhas e pudemos ver os estudantes indo pras escolas. Chegando no templo, tivemos uma surpresa: uma boa parte estava em reforma! D: Sendo assim, nem pagamos pra entrar no templo, só demos uma volta por fora dele mesmo. Apesar da reforma atrapalhar, deu pra tirar umas fotos legais sem que aparecesse a reforma e ver alguns monges budistas trabalhando. 

Uma das entradas do templo
Pagoda
Uma espiadinha na parte de dentro
Monge budista trabalhando

Almoço em Shinsekai

Saindo do templo, caminhamos até o bairro Shinsekai, "mundo novo" numa tradução literal. Ele foi criado em 1912, com inspiração em Nova York e Paris e contava até com um parque de diversões (aquele mesmo que eu mostrei uma miniatura no final do post anterior), mas depois da primeira guerra a área acabou sendo negligenciada e ganhou a fama de área mais perigosa em Osaka e uma das mais perigosas no Japão!

Entrada principal de Shinsekai
Torre Tsutentaku, marca registrada do local
Eu preferia ter ido lá à noite, porque é mais movimentado e as luzes dos restaurantes são muito bonitas, mas esse era o único horário que dava pra encaixar. E, apesar da fama de perigoso e do pouco movimento por ser de manhã, não vimos absolutamente nada de mais. Inclusive encontramos umas figuras bem engraçadas, como um senhor bem simpático que veio conversar com a gente em inglês sobre a religião dele e soltou até algumas palavras em português quando dissemos que éramos do Brasil e uma senhora que andava de mãos dadas com um macaquinho com roupa de criança, o que foi tão inusitado pra nós, que acabou gerando ataques de riso.

Restaurante de fugu (baiacu)
Muita informação visual nas ruas
Almoçamos no restaurante Kushikatsu Doteyaki Nadai Tsurukameya e comemos kushikatsu, uma especialidade local que consiste em espetinhos com carnes ou legumes fritos. Nós comemos de carne de porco e frango e estava gostoso, mas é muito muito gorduroso. Terminamos o almoço cedo pra nos concentrar na principal atração do dia: Takarazuka!

Restaurante Kushikatsu Doteyaki Nadai Tsurukameya
Kushikatsu

Takarazuka

Depois de mais ou menos 1h de trem, chegamos na cidade de Takarazuka, que é famosa pela Takarazuka Revue, uma companhia de teatro formada só por mulheres, e nós fomos lá só para ver um de seus musicais. Chegando na estação, já nos deparamos com um monumento comemorando os 100 anos da Takarazuka Revue e andando mais um pouquinho já chegamos no teatro.

Monumento aos 100 anos da Takarazuka Revue
Teatro Takarazuka (como a foto que eu tirei não ficou muito boa, peguei do google)
Faltava menos de 1h para o espetáculo, então já estava bem movimentado e o público era majoritariamente feminino. Tinha até algumas estrangeiras, não éramos os únicos. Fomos na bilheteria e trocamos nossos ingressos. Nós compramos assim que as vendas começaram, no próprio site da Takarazuka Revue. Antes de irmos pros nossos lugares, meu irmão resolveu procurar algo pra comer e eu fiquei esperando. Já faltava menos de 10min pra começar o espetáculo e nada dele chegar e eu já estava super nervosa e preocupada, mas felizmente nos últimos 5min ele chegou e nós entramos.

Hall do Teatro (como a foto que eu tirei não ficou muito boa, peguei do google)
Cartaz do musical que íamos assistir
As poltronas se dividiam em SS, S, A e B. O nosso era A e, ainda assim, era bem ao fundo, mas nada que atrapalhasse a nossa visão. As luzes se apagaram, silêncio total e finalmente começou. Era dividido em dois espetáculos, um mais visual com música e dança e, o outro, um musical com uma história trágica.
 
Visão do lugar onde eu estava
Os dois espetáculos: "Sekkasho" e "Konjiki no Sabaku" estrelando Asumi Rio
O primeiro se chamava Sekkasho e retratava as estões do ano no Japão, começando pela primavera, depois verão, outono, inverno e, novamente, primavera. O figurino, a maquiagem, as danças com leques, as músicas, foi a coisa mais linda que eu já vi, de verdade, muito bonito mesmo. E era só metade do espetáculo. É proibido tirar fotos em teatros e shows no Japão, então não pude tirar, mas vou deixar aqui algumas imagens oficiais.








Depois de um intervalo, começou o musical Konjiki no Sabaku (O Deserto Dourado), que conta a história trágica de uma princesa de um país no meio do deserto e seu escravo, que se apaixona por ela. Mais uma vez músicas e figurinos impecáveis, mas menos colorido e mais dramático que o musical anterior. Adorei os dois. Vou deixar aqui algumas fotos oficiais dessa parte também e um vídeo aqui com um resumo dos dois, pra vocês terem uma ideia de como foi.











Ao acabar o musical, fomos pra loja do teatro muito empolgados e satisfeitos. Lá meu irmão comprou dois DVDs de apresentações anteriores, um de Versailles no Bara (A Rosa de Versailles), que ele é fã, e outro de Rurouni Kenshin (Samurai X) e eu comprei um chamado Alice no Koibito (O Namorado de Alice), porque eu amo tudo o que for relacionado a Alice no País das Maravilhas

"Versailles no Bara", "Rurouni Kenshin" e "Alice no Koibito"
Esse passeio superou todas as minhas expectativas! Sou muito grata pelo meu irmão por ter sugerido assistirmos, porque eu não tinha interesse algum em Takarazuka e depois de ter assistido eu fiquei MEU DEUS, ISSO É MUITO BOM! PRECISO DE MAIS! Foi maravilhoso mesmo, recomendo muito!

Den Den Town e Dotonbori

Voltamos pra Osaka no final da tarde e fomos para a área conhecida como Den Den Town, que, com lojas especializadas em games, animes e eletrônicos, é o mais próximo do bairro de Tokyo, Akihabara, em Osaka. Visitamos lojas como Animate, Lashinbang e K-books. Foi o nosso primeiro contato com lojas desse tipo no Japão e foi muito mágico ver todas aquelas coisas de personagens que eu gostava à venda. Pena que, mais uma vez, eu comecei a me sentir meio mal, então não pude aproveitar tanto, mas mesmo assim, foi uma experiência bem legal.

Rua em Den Den Town
Cartazes de Yuri on Ice na loja Animate
Porta de loja com decoração de Touken Ranbu

De Den Den Town fomos caminhando até Dotonbori pra encontrar algo pra comer e, como, diferente do meu irmão, eu não tinha lanchado nada em Takarazuka, eu estava com muita fome. Andamos bastante e pudemos ver como o bairro fica movimentado e iluminado à noite. Sem muita ideia do que comer, acabamos indo num restaurante da rede Yoshinoya e eu comi arroz, salmão e salada. Estava muito bom, mas como eu estava enjoada acabei comendo pouco.

Caminho para Dotonbori
Dotonbori
Dotonbori
Dotonbori
Dotonbori
Arroz, salmão e salada
Achei que me sentiria um pouco melhor depois de comer, mas eu estava me sentindo cada vez mais enjoada e no metrô que pegamos de volta pro apartamento eu percebi que estava com ânsia de vômito. Eu segurei o máximo que pude, mas quando chegamos na estação Nishinakajima-Minamigata (uma estação antes da nossa, Shin-Osaka), eu disse pro meu irmão que não estava bem, então nós descemos e ele me deu uma sacolinha pra eu vomitar. 

Ainda bem que eu consegui ser controlada e discreta, não seria nada legal fazer isso dentro do trem. Depois de ir no banheiro lavar o rosto, me senti um pouco melhor e retomamos nosso caminho pro apartamento.  

Será que no dia seguinte eu vou finalmente melhorar? 
Descubram no próximo post! Até!~

6 comentários:

  1. Nossa, minha meta de vida é visitar o Japão e ver os templos <3

    bruna-morgan.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Espero que você também consiga realizar essa meta! o/
      Beijos~

      Excluir
  2. Uhh, ai sim! Que viagem e que fotos lindas, estou achando incriveis essas ultimas postagens!
    E foi legal o espetaculo? Eu tenho curiosidades sobre o Takarazuka ha muito tempo (desde que vi o espetaculo em Ouran Hostbu na vdd, ha uma decada (´-` )) mas e muito dificil encontrar espetaculos na Internet, adoraria ver um espetaculo tb se fosse no Japao.
    Lindas as fotos e estou ansiosa por outros relatos sobre a viagem! ♡

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que está gostando, Chell! :3
      Foi maravilhoso! Eu fiquei impressionada com a caracterização e as músicas delas! Acho que meu primeiro contato com Takarazuka foi com Ouran também, mas na época eu não tinha interesse algum...
      Sim, é muito difícil encontrar esses espetáculos pra baixar, por isso nós compramos alguns DVDs.
      Obrigada! Ainda tem muito mais o/
      Beijos~

      Excluir
  3. Tão linda as cores dos templos, as construções, mas me apaixonei mesmo pelos tons, são cores fortes e vivas, as lanternas também. Mas aquela ponte vermelha, ela me deu vontade de andar nele , pena que não pode, vai saber porque mas eu bem que queria.

    A senhora com o macaco, deve ter sido muito fofo, ah eu adoro bichinhos vestidos assim, um dia visto minha cachorrinha com algo assim também.

    Muito interessante o senhor conversar com vocês, vi em um video que o inglês dos japoneses e um pouco modificado, mas vendo que este senhor sabia até português, isso foi muito legal.

    A parte chata é passar mal, e muito chato quando queremos aproveitar algo mas tem uma dorzinha ou um incomodo. Eu vi a outra postagem li e falei que ia comentar depois, demorei tanto que ja chegou no terceiro dia, mas estou comentado aqui, bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim! Eu adoro os templos xintoísta porque, geralmente, eles tem muito vermelho, são muito bonitos.
      Isso do macaco foi engraçado, porque a gente primeiro olhou ele de costas e parecia uma criança, mas tinha o corpo coberto de pelos daí a gente ficou wtf até que percebemos que era um macaco e caímos na gargalhada xD
      O inglês dos japoneses é bem diferente sim, por isso eu não gostava muito quando tentavam falar em inglês com a gente, a intenção é legal mas fica mais difícil de entender do que o japonês! xD
      Sim, foi bem chato isso, mas eu não desanimei e não deixei de visitar os lugares por causa disso. E logo que entendi a causa não fiquei mais passando mal também :3
      Beijos~

      Excluir

Tecnologia do Blogger.